Páginas

quarta-feira, 7 de abril de 2021

Não existem perdas, existem propósitos



João 9.1 a 11: “Caminhando Jesus, viu um homem cego de nascença. E os seus discípulos perguntaram: Mestre, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego? Respondeu Jesus: Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi para que se manifestem nele as obras de Deus. É necessário que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.

Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo. Dito isso, cuspiu na terra e, tendo feito lodo com a saliva, aplicou-o aos olhos do cego, dizendo-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que quer dizer Enviado). Ele foi, lavou-se e voltou vendo. Então, os vizinhos e os que dantes o conheciam de vista, como mendigo, perguntavam: Não é este o que estava assentado pedindo esmolas?

Uns diziam: É ele. Outros: Não, mas se parece com ele. Ele mesmo, porém, dizia: Sou eu. Perguntaram-lhe, pois: Como te foram abertos os olhos? Respondeu ele: O homem chamado Jesus fez lodo, untou-me os olhos e disse-me: Vai ao tanque de Siloé e lava-te. Então, fui, lavei-me e estou vendo.”

Ter entendimento é enxergar tudo com clareza. É deixar de andar de acordo com seus medos, carências, frustrações, complexos e deduções. É deixar de ser manipulado mentalmente e emocionalmente.

Isaías 11.2: “Repousará sobre ele o Espírito do SENHOR, o Espírito de sabedoria e de entendimento, o Espírito de conselho e de fortaleza, o Espírito de conhecimento e de temor do SENHOR.”

Na advocacia, existem leis que podem ser interpretadas de diferentes formas. A mesma pode tanto condenar quanto inocentar alguém.

A passagem de João 9 nos mostra o momento em que os discípulos se depararam com um cego de nascença. Qual era o conceito deles? Que aquele rapaz estava enfermo por conta de um pecado – ou dele ou dos seus pais.

Muitas vezes, quando passamos por alguma adversidade, somos julgados desta maneira. Em vez de recebermos apoio, somos questionados: “O que você fez para isso acontecer? Qual brecha você abriu?”.

Se você está passando por isso, tenha consciência de que Jesus Cristo morreu na cruz para que fossemos perdoados e limpos de todos os pecados!

Antes de dar ouvidos aos julgamentos, lembre-se de que está tudo perdoado e muito bem pago!

1 João 1.9: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.”

Talvez, você esteja passando por uma fase de sucessivas perdas e chegou à conclusão de que é o fim da linha.

Noemi perdeu o marido, os dois filhos e todos os bens. Ao vê-la passando por tudo isso, em quais conclusões você chegaria? Certamente, você acharia que havia algo de errado com ela, como uma maldição, por exemplo!

Eu imagino o que pode ter passado na cabeça dessa mulher: “Por que o Senhor não me levou também? O Senhor só me deixou viva para me castigar, para que eu sofresse até desejar a morte!”.

Isso seria o obvio, mas Deus tinha um plano para ela: ser bisavó de Davi, o maior rei de Israel.

Se os filhos dela tivessem lhes dado netos quando ainda moravam em Moabe, quais seriam as consequências?  Ter descendentes idólatras e consagrados a entidades malignas.

Por que Deus permitiu que Noemi continuasse viva? Porque ainda haveria a possibilidade de que ela tivesse netos criados debaixo da bênção do Senhor. Naquela época, o parente mais próximo poderia se casar com a nora viúva e, assim, dar continuidade à descendência. Noemi foi avó por parte de sua nora, Rute!

Elas moravam em Belém. Ali, nasceu Obede, avô de Davi, de quem Jesus era descendente! Então, depois de tudo isso, podemos concluir que Noemi era uma mulher amaldiçoada ou muito abençoada?

E aquelas perdas? Noemi teve de aceitá-las e deixar que o Senhor trabalhasse em sua vida...

Passar por perdas, muitas vezes, é necessário para que ganhemos valor – assim como uma peça de mármore que é trabalhada até ser transformada em uma linda escultura! Essa “forma” é o que nos coloca dentro do plano de Deus! Se permitirmos, ele molda o nosso caráter. Somos como pedras brutas nas mãos d’Ele

Romanos 8.28: “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.”

Voltando à história do cego de nascença, Jesus “clareou” o entendimento dos seus discípulos: “Ninguém pecou. Isso ocorreu para que Minha glória se manifestasse na vida dele!”. Jesus, então, curou-o, e a vida dele nunca mais foi a mesma.

Não permita que mais nada roube sua paz! Lembre-se de que as perdas moldam nossa vida para o melhor de Deus, desde que estejamos abertos para isso!

Deus tem uma missão para cada um de nós! Ele não faz nada “de propósito”, mas com “um propósito”. É tudo uma questão de entendimento!

Jeremias 29.11: “Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais.”

A partir de hoje, mude suas percepções, pois, para quem estar em Deus, não existem perdas, existem propósitos!