Páginas

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Série “Superação”: Superando a amargura

Hoje, vou dar continuidade à série “Superação”. A nossa inspiração é a história da mulher sunamita, aquela que, junto com o marido, abriu as portas de sua casa para hospedar o profeta Eliseu.

Agora, no terceiro capítulo, eu vou mostrar como ela superou a amargura.

Eu conheço muitas pessoas que têm uma condição social muito boa, mas são extremamente amargas. Ao longo de sua caminhada, elas foram feridas, exploradas e vítimas de pessoas falsas, interesseiras e desleais. Muitas, inclusive, foram tão machucadas, que acabaram perdendo a sensibilidade. Tornaram-se críticas, céticas e incapazes de enxergar o sofrimento alheio.

A mulher sunamita tinha uma condição social elevada, mas não era completa. Ela e o marido tinham uma grande frustração: não podiam ter filhos. Mas, mesmo assim, ela não deixou seu coração ser dominado pela amargura. Pelo contrário, ela era grata e generosa, a ponto de construir um quarto dentro de sua casa para receber o profeta Eliseu. Foi uma obra grande porque, naquela época, as pessoas habitavam em tendas.

Sem saber, aquela doação fez com que ela superasse a amargura, a frustração, as cobranças da sociedade e a esterilidade. Ela não deixou que nada a afastasse do amor de Deus.

É o que Paulo diz em Romanos 8.38 e 39: “Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.”.

As tribulações, a angústia, a fome, as perseguições, as necessidades, as carências, as ameaças, a violência e os sonhos frustrados só podem nos afastar de Deus se a gente permitir.

Aquela mulher tinha o coração aberto: “Eu posso não ter filhos, mas Deus me deu força, graça e recursos para eu suprir sua obra. Talvez, no meu ventre, eu não possa gerar vida. Mas eu posso gerar de outra forma. Com a minha entrega, muitas pessoas serão restauradas e abençoadas. Hospedando Eliseu, eu vou contribuir para que a voz profética chegue a outros lugares.”.

Ela não fez daquela situação o deus dela. O mundo pode dizer: “Você não vai ser feliz, porque ainda não casou!”, “Você não vai ser feliz, porque não tem dinheiro!”, “Você não vai ser feliz, porque está desempregado!”. Mas isso é mentira. A felicidade é uma escolha. Existem pessoas que têm tudo, absolutamente tudo – casa, dinheiro, marido, filhos... –, mas vivem presas em uma cama de depressão. Não têm paz, precisam tomar remédio até pra dormir. Somente, em Deus, somos completos e realizados de verdade, ainda que a gente não tenha tudo.

A sunamita entendeu isso. Ela não deixou o fato de ela não ter filhos tirar o brilho dos seus olhos. Ela não deixou aquela frustração a tornar uma pessoa pesada, maledicente e egoísta. 

Aquela oferta quebrou toda a esterilidade da casa dela. Aquela oferta trouxe a ressurreição, quando a morte bateu em sua porta. Aquela oferta trouxe a reversão, quando a má notícia chegou. Aquela oferta trouxe a restituição (nos próximos textos, vou falar sobre isso).

Que o exemplo dela seja uma inspiração e te ensine a superar os seus impossíveis. Aproveite o que você tem. Sabe, eu gosto muito de artesanato, porque com um pouquinho de cada coisa você consegue construir algo extraordinário. Mesmo que você tenha pouco, é o suficiente para Deus realizar uma obra maravilhosa.

Não deixe mais que este sonho inatingível – aos seus olhos – te afaste do único que pode te ajudar. Sabe qual foi o segredo daquela mulher? Abrir um espaço na família dela para aquele homem de Deus.

Daquele quarto que ela construiu para o profeta, saiu a palavra que quebrou a esterilidade. Daquele quatro, saiu a palavra que trouxe ressurreição. 

Receba este poder e autoridade para continuar servindo a Deus, a apesar de tudo! Receba agora consolo para você passar por este momento da melhor maneira possível. Que a graça do Senhor te sustente até que a reversão, o milagre, a ressurreição e a restituição se manifestarem na sua vida.


Pense nisso!