Páginas

terça-feira, 19 de abril de 2016

A história do louvor "Deus Pode", do Renascer Praise 18

1 Coríntios 10.1 a 5: “1 Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos sob a nuvem, e todos passaram pelo mar, tendo sido todos batizados, assim na nuvem como no mar, com respeito a Moisés. 

Todos eles comeram de um só manjar espiritual e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a pedra era Cristo. Entretanto, Deus não se agradou da maioria deles, razão por que ficaram prostrados no deserto.”

Como ter vitórias no deserto? Essa pergunta é muito comum. Hoje, eu quero deixar para você uma estratégia que o Senhor me ensinou para superar os momentos de dificuldades. Este segredo me inspirou a compor o louvor “Deus Pode”, do Renascer Praise 18. 

Na passagem bíblica que eu citei acima, o apóstolo Paulo fala que tudo o que aquele povo fez no deserto serve de exemplo para que a gente não morra no dia da necessidade, no dia da escassez, no dia da carência, no dia da falta de emprego, no dia da falta de saúde.

Temos que tomar cuidado porque, muitas vezes, o deserto acaba invadindo outros territórios de nossas vidas; é como se fosse o famoso ‘efeito dominó’. Vou citar alguns exemplos. Existem mães que sofrem porque seus filhos estão nas drogas, mas, no final, é o casamento que acaba sendo destruído. Isso ocorre porque o casal já não tem mais recursos emocionais para combater essa malignidade que tem afetado tantas famílias.

Existem pessoas que, quando passam pelo dia da enfermidade, acabam sendo prejudicadas também na vida financeira, sentimental, profissional, ministerial...

Como vencer neste deserto?

O grande segredo para o mar se abrir no meu deste deserto, o grande segredo para que apareça um caminho aonde não existia caminho é ter atitudes espirituais.

Êxodo 14.21: “Então, Moisés estendeu a mão sobre o mar, e o SENHOR, por um forte vento oriental que soprou toda aquela noite, fez retirar-se o mar, que se tornou terra seca, e as águas foram divididas.”

Desde quando um cajado é capaz de abrir o mar? Para abri-lo, eles precisariam, sei lá, de uma barragem, de placas imensas de aço para conter a água. Sinceramente, nem sei como, humanamente, aquilo seria possível. E, para piorar a situação, Moisés não tinha um especialista no assunto e, muito menos, mão de obra para realizar essa proeza. Mesmo se tivesse, levaria meses para realizar a obra, tempo que ele não dispunha. Moisés também tinha o medo que sentia, um cajado e uma multidão que reclamava o tempo todo e que o considerava o culpado de todas as dificuldades enfrentadas no deserto.

Sabe, eu aprendi que, às vezes, os ingredientes que nós temos para vencer uma grande guerra são totalmente desfavoráveis, mas isso não quer dizer que não vamos vencer. Eu aprendi a pegar todos os recursos que eu tenho e colocá-los a serviço de Deus. Foi isso que Moisés fez! São atitudes espirituais. Podem até ser loucas para os homens, mas são possíveis para Deus.

O louvor no meio da guerra

Há alguns anos eu tive uma experiência muito forte. Por muito tempo, eu fiquei esperando a possibilidade da realização de um exame. Minha expectativa estava naquele resultado, pois ele detectaria se a minha fé estava certa.

Foram quatro anos lutando com as instabilidades daquele quadro, e, ao mesmo tempo, testemunhando tantos outros milagres. Até que chegou o grande dia. Era um exame de tão difícil acesso, que só tinha na USP.

No caminho do local, Deus já foi me preparando para o pior. Naquele mesmo dia, depois de receber o resultado, eu tive que ministrar no Culto de Guerra Espiritual. Eu lembro que ninguém da minha família pode me acompanhar.

Imagine a situação. Eu tinha que estar no altar e ensinar aquelas pessoas a terem vitória. Mas o que eu tinha para dividir, na verdade, era uma grande frustração, uma grande dor, um grande choro, um sentimento de impotência, um grande vazio e, por outro lado, uma vida inteira marcada por milagres sobrenaturais. Eu tinha que ser um bom instrumento para transmitir, com fidelidade, aquilo que vinha do céu. Eu tinha os ingredientes perfeitos para isso? Claro que não. Além de tudo, eu estava cansada. Estava há dias se dormir e sem me alimentar direito.

Diante de tudo isso, eu falei: “Deus, o Senhor pode! O Senhor não fez o que eu esperava, mas isso não quer dizer que o Senhor não possa! Eu não tenho direito de não crer ou duvidar. Esta situação está nas tuas mãos. Obrigada porque agora eu vou crer que vai ser um milagre maior ainda!”. Desta experiência que tive, nasceu o louvor “Deus Pode”. A canção começa assim:

Como posso
Não crer ou duvidar
Se o Teu amor insiste em me chamar

Vem renova
O meu interior
Reacende a chama
Do primeiro amor

Quero olhar minhas guerras
E ver o salvador
Vindo águas agitadas
Vou com Ele andar

Encarar o impossível
Na certeza de que Deus pode mais...

Sabe o que aconteceu? Aquele culto foi maravilhoso. O Espírito de Deus se derramou de uma tal forma, que houve a manifestação de curas e milagres. Saí renovada!

Sabe, o que eu estou repartindo com você através deste post não é nada que eu não viva todos os dias, não é nada que eu não experimente todos os dias.

Outro grande exemplo

Todos nós conhecemos a história de Davi. Ele não tinha experiência de guerra – aliás, nem guerreiro era –, não tinha armas, não tinha uma espada... O que ele tinha? Habilidade com o estilingue. Ele, então, pegou cinco pedras e foi à luta, sabendo que Deus estava com ele.

Mesmo com todas as afrontas, ameaças e o tamanho do gigante, ele não se deixou intimidar. Ele, em nome de Deus, atirou a pedra e derrubou Golias. Você já viu alguém tomar uma pedrada na cabeça e cair de frente? Pois é! Foi isso o que aconteceu com ele.

O segredo de Davi foi o mesmo de Moisés; ele teve uma atitude espiritual de colocar tudo o que ele tinha à disposição, a serviço de Deus. Na sequência, Davi pegou a espada de Golias e cortou a cabeça do gigante, deixando todos boquiabertos.

Olha, eu não sei se você está cansado, com dor, sem dinheiro, abandonado, endividado... Eu sei que, se você pegar tudo isso e colocar à disposição do Senhor, Ele fará com que você atravesse o deserto em vitória.

Eu quero finalizar este post com 1 Coríntios 10.13: “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.”.


Pense nisso!