Páginas

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Quando perdemos quem amamos...


Hoje, eu quero te convidar a meditar no livro de Rute. É um verdadeiro exemplo de restauração e restituição familiar!

Um dos maiores desafios que temos de enfrentar é a morte ou a separação! Acontece de repente... De manhã, você tem por perto e, à noite, não tem mais! É perder e perder para sempre... Nunca mais!

É, de repente, amanhecer cheio de saúde e anoitecer cego, paraplégico, sem família, sem marido, sem esposa, sem pai, sem mãe, sem o filho, que morreu em um acidente, sem a filha, que decidiu tirar a própria vida!

A Bíblia não nos mostra quanto tempo duraram as perdas de Noemi e muito menos como elas aconteceram. Diz somente que, primeiro, morreu o marido e que, depois de 10 anos, morreram também os seus filhos, sem lhes terem dado nenhum neto. Ela, então, ficou ela sozinha, desamparada, sem filhos e sem marido!

Talvez, você não tenha perdido seu marido, sua esposa, seus filhos... mas está se sentido desamparado (a), sozinho (a), cheio (a) de amargura, assim como Noemi se sentiu...

Deus me ensinou que, neste tempo de dor, nós:

1- Não podemos nos entregar à depressão

Se não mudarmos de atitude, nada de novo virá. Precisamos nos dispor a voltar para o lugar que nos alimentava! Aquele lugar em que somos restaurados, resgatados da dor que sentimos e que podemos aprender a viver! Este lugar é a Casa do Senhor. É lá que nos alimentamos do pão da vida, que é Jesus (Jó 6.35). 

Sabe, eu aprendi que, não podemos controlar o que aconteceu com a gente, mas podemos escolher o que vamos fazer com tudo o que vivemos. 

Você pode escolher sofrer ou superar! Você pode escolher trilhar o caminho da dor ou o caminho do aprendizado! Você pode escolher ser a vítima ou o vencedor! 

2- Expor as feridas e nos abrir para a cura.

Em Efésios 4.31, o Apóstolo Paulo fala sobre a raiz de amargura; diz que se não a arrancarmos, ela vai crescer, tomar espaço dentro de nós e frutificar ódio, incredulidade, depressão, síndrome do pânico e outras enfermidades da alma!

Não passe por isso sozinho (a)! Busque ajuda, queira ser consolado (a) e abra o seu coração para o novo tempo. Foi isso que Noemi fez: levantou-se para ajudar sua nora a viver uma nova vida (Rute 3.1 a 5).

3- Precisamos ser uma bênção para os outros e para nós mesmos! (Gênesis 12.1 e 2)

Quando você se dispõe a ser um instrumento de Deus para abençoar a vida dos outros, para ensinar o caminho do Senhor, você para de procurar culpados, de se culpar, de se achar a pessoa mais injustiçada do mundo, de se comparar com os outros e passa a cumprir o seu chamado.

O Senhor, no Seu tempo, te honrará, quebrando todo o poder da morte e da perda. Ele mudará sua sorte na frente de seus olhos, trazendo à existência o que não existe e, ainda, te fará conhecida por todos como bendita do Deus vivo.

Quero finalizar este Pensamento com uma dica! Leia o livro de Rute. Não alimente mais o que pode matar seus sonhos e sua vontade de viver! 

Alimente-se da Palavra de Deus. Ela é carregada de verdades, de conselhos, de direcionamentos e de exemplos de superação!



Pense nisso!