Páginas

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Até quando?



Romanos 8.17: “Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e coerdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados.”

Como você tem passado os dias maus? Como você tem enfrentado as injustiças e as calamidades?

Existem situações na nossa vida que somente uma intervenção divina pode solucioná-las. Mas, nós, muitas vezes, não ajudamos.

“Por que comigo, Senhor?”. Você acha mesmo que adianta fazer este tipo de pergunta?

Enquanto você estiver neste questionamento, você ficará distante de Deus.

“Como assim, Bispa? Eu me apegar a Deus? Como é que Ele permite que essas coisas aconteçam comigo?”.

Desta forma, você acaba brigando com o único que pode resolver e transformar a sua história. No final, você ficou com quem? Ficou só com o seu problema.

Hoje, eu quero te fazer uma pergunta: “O que mais está faltando acontecer para você se apegar a Deus? Qual outra perda que você precisa sofrer para se apegar a Deus? Qual desgraça ainda precisa acontecer para você se apegar a Deus?”.

Então, em nome de Jesus, hoje mesmo, você vai se reconciliar com o Senhor. Venha renascer em Cristo. Se com Ele sofremos, com Ele, também seremos glorificados. Comece, fazendo uma oração: “Senhor Jesus, eu não sei se o outro não merece estar bem; essa é a vida dele. Eu não quero mais ficar me comparando aos outros. Mas eu sei que eu preciso de um milagre na minha vida. Ensina-me a enfrentar esta adversidade. Ensina-me a ser uma pessoa melhor.”.

Humilhe-se na presença de Deus; Ele vai se compadecer e mudar a sua sorte. A sua autossuficiência não te levará a lugar nenhum. Você precisa e depende, sim, do Senhor! Não brigue mais com a solução!

Olhe para Deus e enxergue que aquele que enviou o seu único filho para te salvar está contigo. Se você buscá-lo, em espírito e em verdade, você o encontrará!

Romanos 8.32: “Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?”

Deus, de maneira nenhuma, despreza um coração contrito e honesto.

Eu quero terminar este Pensamento dividindo minha experiência com você:

Quando a gente passa por um sofrimento, junto com Jesus, somos consolados, somos iluminados e recebemos um entendimento do céu sobre o porquê deste sofrimento. Este sofrimento se transforma em uma grande experiência com Deus. A experiência marca a gente de tal forma, que, mesmo na tempestade, a gente vai sendo conduzido pelo Senhor de forma abençoada. A gente sai do dia do sofrimento com uma nova vida, com novas perspectivas. Ficamos mais sensíveis, mais humanos...

Entregue este sofrimento nas mãos de Deus e peça para Ele te ensinar, te transformar, para que a glória do Senhor e o milagre possam se manifestar na tua vida!

Você tem um milagre para viver? Então, não se “embarace” mais nos problemas, nos questionamentos e nas incertezas; olhe para Jesus, apegue-se a Ele. Assim, você viverá além do que você sonhou ou imaginou.

Pense nisso!

quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Ressurreição para uma nova vida!



Ressurreição é a morte e o surgimento de uma nova vida. Ou seja, o que havíamos vivido até então ficou definitivamente para trás... Simplesmente, não existe mais!

Essa nova vida que recebemos em Jesus requer novos pensamentos, sentimentos e reações! Se a quisermos, não podemos mais ser os mesmos! Não podemos mais querer voltar para um passado que não tem futuro!

Filipenses 3.13 e 14:  “Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.”

Para ressuscitarmos, muitas vezes, precisamos enterrar nossos planos! Esta em nós o poder de escolha: ressuscitar para uma vida medíocre, carregada de ressentimentos ou para uma vida melhor! Só vive uma nova vida quem sai definitivamente do ambiente de morte!

Paulo tinha outro nome – Saulo –, era respeitado, bem relacionado, tinha projeção social, era desenvolvido intelectualmente, foi um grande estudante da lei... Mas, assim como muitos de nós, não sabia que precisava ressuscitar, que precisava de libertação.

Naquela época, existiam homens que não tiveram a mesma formação intelectual e que, diferente dele, tiveram experiências profundas e pregavam com liberdade e sabedoria, como Estêvão, por exemplo. Saulo, em sua ignorância, ordenou seu apedrejamento.

Durante sua viagem em direção a Damasco, ele foi surpreendido por uma luz e pela voz de Jesus Cristo. Depois daquela experiência, ficou cego!

Durante três dias, ele entrou em contato com a escuridão que havia dentro de si, com o ambiente de morte que ele gerou! Ele percebeu que sua religião o tornou uma pessoa sanguinária e cruel! Naquele momento, entrou em contato com suas verdades e percebeu que suas percepções e sentimentos estavam distorcidos!

Após receber a palavra de um profeta, seus olhos se abriram. A palavra profética nos direciona. Saulo, até então, achava que a solução estava em suas próprias mãos.

Saulo se tornou Paulo – de perseguidor para seguidor de Cristo – quando teve uma experiência transformadora, quando ressuscitou para uma nova vida! Ele nunca mais foi o mesmo.

Esse mesmo homem que respirava ameaças e morte escreveu 1 Coríntios 13! Ele definiu o amor como ninguém, sabe por quê? Porque ele foi transformado pelo amor de Deus! Em vez de matar, passou a salvar! Ele morreu e ressuscitou para uma nova vida!

Para vivermos uma nova vida, precisamos, assim como Paulo, renascer verdadeiramente em Cristo e para Cristo, sabendo que isso é muito mais do que simplesmente acreditar que Deus existe!

Mas, para isso, é necessário ser cheia do Espírito Santo, ter a mente transformada e entregar nossas vidas nas mãos do Senhor!

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Uma mãe de fé



1 Samuel 1.11: “E fez um voto, dizendo: SENHOR dos Exércitos, se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva te não esqueceres, e lhe deres um filho varão, ao SENHOR o darei por todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passará navalha.”

Ana tinha tudo para viver um sonho de amor... Mas se deixou levar pela frustração de não poder ter filhos. Seu marido, Elcana, acabou se casando com outra mulher – o que era permitido por lei, quando a primeira esposa não podia engravidar.

Esta segunda esposa, Penina, teve vários filhos e, por conta disso, acabava humilhando e provocando Ana, que, mesmo sendo amada incondicionalmente pelo marido, mergulhou em um mar de depressão.

Certo dia, Ana foi ao tabernáculo e orou a Deus de uma maneira diferente, não mais pedindo um filho para si, mas para entregá-lo ao Senhor.

Depois daquele voto, Deus lhe concedeu seu sonho, e ela se tornou mãe, não só de um, mas de outros filhos. Sendo que o primeiro de seus sete filhos, o qual ela realmente entregou para que servisse no templo, em cumprimento ao voto que fizera. Samuel foi um grande profeta e sacerdote. Foi ele quem ungiu Davi rei de Israel.

O que fez tudo mudar?

Ana se sentia frustrada, infeliz e sem perspectivas de futuro. Suas expectativas em relação à maternidade não se cumpriram no tempo que ela esperava, nem do jeito que ela queria. Ela passou a ter pensamentos terríveis sobre si e sobre o Senhor.

Ela precisava vencer tudo isso, inclusive as provocações pelo fato de ser estéril. Tinha que vencer a si mesma e derrotar a esterilidade de uma maneira definitiva. Tinha que vencer a depressão e a amargura. Ela precisava parar de servir aos seus problemas e passar a servir a Deus.

Ana deu a volta por cima quando:

1- Experimentou o poder da oração

Ela chegou à presença de Deus humilhada, deprimida e desiludida. Ela se sentia tão sozinha e sem valor, que mais do que um filho, naquele momento, ela precisava sentir que tinha um Deus. Um Deus que a acolhesse, a amasse, a ouvisse, que enxugasse suas lágrimas, que a fizesse sentir que sua vida, apesar das sentenças contrárias, tinha um propósito.

Ela precisava crer que, acima de todos os seus fracassos, existia um Deus que não se enganou ao criá-la. Talvez, naquele momento, ela já nem acreditasse mais que o Senhor a ouviria, depois de tanto tempo sem resposta, mas seria sua última tentativa.

Ao se derramar em oração na presença de Deus, com sinceridade, o Senhor tirou o peso de seus ombros e lhe encheu de esperança. Ela não saiu gravida de um filho, mas gravida da promessa. Uma promessa que nunca poderia falhar.

2- Aprendeu a desejar para Deus e experimentou o poder de um voto

Durante a oração, Ana percebeu que, até então, desejava ter um filho para não ser mais chamada de estéril, para que seu marido não se casasse com outra, para não ser humilhada, para se sentir completa, para esfregar na cara de todos que falaram mal dela, para ser valorizada... Entretanto, nenhuma dessas razões abriu os céus e o foi chave para o milagre.

Conduzida pelo Espírito Santo – ciente da necessidade que a Casa do Senhor tinha de ter um sacerdote que sucedesse Eli – ela desejou um filho para entregar a Deus, para esta obra.

Quando fez este voto na presença do Senhor, sua sorte mudou. Por meio do seu voto, Ana entrou em aliança com Deus, ou seja, tudo que era d´Ele passou a ser dela também, gerando vida, bênção e graça.

Onde Deus está, não há aridez ou esterilidade, mas há vida abundante.

3- Cumpriu o voto e, por esse motivo, recebeu além do que pediu, pensou ou imaginou

Mais tarde, ao cumprir seu voto e levar Samuel, ainda criança, para ser criado pelo sacerdote Eli, Ana adora ao Senhor em oração.

O voto que supre a Casa de Deus, em primeiro lugar, quebra as palavras contrárias sobre nossas vidas, traz uma fertilidade não conhecida; assim como nos faz viver maravilhas, ou seja, o que não poderia existir em nossas vidas de manifesta.

1 Samuel 2.1 e 2: “Então, orou Ana e disse: O meu coração se regozija no SENHOR, a minha força está exaltada no SENHOR; a minha boca se ri dos meus inimigos, porquanto me alegro na tua salvação. Não há santo como o SENHOR; porque não há outro além de ti; e Rocha não há, nenhuma, como o nosso Deus.”

1 Samuel 2.21: “Abençoou, pois, o SENHOR a Ana, e ela concebeu e teve três filhos e duas filhas; e o jovem Samuel crescia diante do SENHOR.”

O voto traz à existência o que não existe e nos faz mais que vencedoras.

Seja uma mulher-chave como Ana e libere bênçãos do céu com atitudes espirituais, como o voto!

Pense nisso!